home  
 
home
adicionar ao favoritos
indique esta página
english version soon
Ginásticas
História
Acrobática
Aeróbica
Artística
Geral
Rítmica
Trampolim
Conteúdo
Artigos
Biblioteca
Entidades
Hot Links
Notícias
Onde Praticar
Resultados
Especiais
Ginásios
Ginasloucos
Obstinação
Personalidade
Supereventos
Interação
Chat
Downloads
Fórum
Guestbook
Newsletter
Opinião
Institucional
Anuncie
Contato
O Site
Quem Sou
Serviços

Consultar arquivos

criação e
manutenção
d_e_n_i_x®
     
 
Ginástica Artística - Aparelhos e Exercícios - Barra Fixa
 
 
Tática Animações Seqüências Fotográficas Figuras Campeões Eventos
 
  Confira abaixo a descrição (inclusive com fotos!) para Barra Fixa:

1 – Barra Fixa

Na barra fixa executam-se, exclusivamente, séries de movimentos de impulsos, que são apresentados sem quaisquer interrupções. Trata-se de uma prova de competição somente masculina.

Das séries dos grandes campeões nos constarão, principalmente, giros gigantes, oitavas e giros em torno do eixo longitudinal, bem como elementos de vôo (elementos com soltura das duas mãos). Além disso, são muitos valorizados os elementos que permitem uma rápida mudança de movimentos próximos e distantes da barra. A suspensão dorsal aparece muito na barra fixa, assim como no esquadro, cuja a execução na barra fixa é mais difícil do que no cavalo de alças e nas paralelas, porque deve-se girar as mãos ainda mais para dentro. Isto não leva a melhores condições para a empunhadura.

Na barra fixa não se consegue alcançar o apoio para o esquadro, podendo executar apenas movimentos para frente. É necessário ter bastante coragem, já que os movimentos são executados de grande distância do eixo de rotação e com muita velocidade. Também as saídas, como o salto mortal triplo e os saltos para trás e para frente com meio giro, oferecem um grande risco. A ginástica na barra fixa exige muito das palmas das mãos. Acostuma-se a isto, usando-se protetores de couro e cuidando das mãos com os meios adequados após o treino.

Para facilitar o aprendizado dos exercícios de barra fixa, é utilizada a barra baixa. Permite-se desta maneira, maior segurança e auxílio.

Empunhaduras:

São importantes porque devem acompanhar e permitir o sentido do giro que o corpo faz em torno da barra. No ambiente da ginástica, a forma de segurar a barra é também chamada de "tomada".

Tipos de empunhaduras:

- Empunhadura dorsal: pode ser chamada de "normal".

- Empunhadura palmar: pode também ser chamada de "invertida".

- Empunhadura mista palmar-dorsal: é a empunhadura em que um das mãos segura a barra em tomada palmar e a outra em tomada dorsal.

- Empunhadura cubital: para se entender esta empunhadura, estenda seus braços para frente com as palmas das mãos voltadas para o chão. Faça a seguir uma rotação dos braços para fora, ficando os cotovelos voltados para cima. Desta forma, é que deve ser empunhada a barra. Esta empunhadura exige flexibilidade para rodar os braços e uma grande exigência incide sobre o pulso.

- Empunhadura mista cubital-palmar: é uma combinação da empunhadura cubital com a palmar.

- Empunhadura cruzada dorsal: empunhadura com os braços cruzados.

Apoio:

Diz-se apoio quando os pontos de sustentação do corpo estão sobre o aparelho.

Suspensão:

Quando os pontos de sustentação do corpo estão abaixo do aparelho.

Medidas da barra fixa:

A altura da barra numa competição oficial para adultos é de 2,50 m.

Clique aqui para ver a figura

Apreciação metodológica da barra:

Para melhor compreendermos a técnica dos movimentos da barra, é necessário lembrarmos da teoria sobre a curva de Hufte.

Clique aqui para ver a figura

Quando um corpo móvel gira em torno de um eixo fixo ao qual está preso, haverá uma aceleração se houver um encurtamento do raio. Este princípio é muito importante, pois se o corpo desequilibrar, entrando, assim, em movimento de rotação em torno da barra e mantendo-se rígido durante toda a trajetória, ele não completará a volta em torno do eixo (barra).

O corpo só conseguirá permanecer girando se for produzida uma força que provoque a impulsão necessária. Esta força é obtida pelo encurtamento do raio através da flexão dos segmentos do corpo, durante a execução dos exercícios.

Outra particularidade deve ser observada para o praticante do aparelho, é a de dividir-se o plano perpendicular à barra em quatro quadrantes.

Os exercícios serão observados e analisados durante sua passagem em cada um dos quadrantes. As saídas são feitas no quarto quadrante.

Clique aqui para ver a figura

Na barra podemos dividir os exercícios nos seguintes grupos:

a. Giros

São todos os giros executados sem forçar a articulação escápulo-umeral.

- Giros com corpo estendido

- Giros com corpo carpado

- Giros com os pés em contato com a barra

b. Giros de ombro

São aqueles que forçam a articulação escápulo-umeral.

c. Elementos com largadas

d. Kippes

 

Exercícios de Barra Fixa:

A subida de oitava

Este elemento nos traz facilmente à posição de apoio sobre o aparelho. Pode ser executado partindo da posição de pé e em suspensão.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Segura-se a barra com empunhadura dorsal, colocando-se próximo a ela com os braços flexionados e levando uma perna para trás.

2 – Procura-se impulsionar os quadris para perto da barra. Para isso deixa-se os braços e o quadril ligeiramente flexionados. Une-se as pernas.

3 – Leva-se os pés por cima da barra para trás. A cabeça acompanha a direção do movimento.

4 – Levanta-se o corpo no apoio e desloca-se as mãos. Nesta posição, o corpo está totalmente estendido e contraído.

A passagem das pernas grupadas para a frente ("Hocke")

A passagem das pernas flexionadas para a frente (hocke) nos leva ao apoio necessário para muitos elementos.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Em apoio, impulsiona-se energicamente as pernas para trás; os ombros só podem ultrapassar um pouco a barra.

2 – Flexiona-se fortemente as pernas e os quadris, mantendo, porém, as nádegas no alto e aumentando o ângulo braço-tronco.

3 – O ginasta procura impelir rapidamente os pés para a frente, sobre a barra, e estender as pernas.

4 – Leva-se os ombros novamente para trás, chegando assim, ao apoio estável das costas. As nádegas podem tocar a barra, no final do exercício.

O giro de quadril para trás (oitava de apoio para apoio)

Neste elemento, executamos um giro inteiro pelo eixo transversal do corpo.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Depois de um ligeiro impulso para trás, movimenta-se os quadris em direção à barra, inclinando-os um pouco.

2 – Inclina-se a cabeça na direção do movimento, pressionando a barra à altura dos quadris. Impulsiona-se os pés para a frente.

3 – Com os quadris flexionados, o ginasta gira com o corpo em volta da barra; os pés comandam o movimento.

4 – Diminui-se a velocidade do impulso das pernas, estendendo os quadris. Desloca-se as mãos e assim alcança-se seguramente o apoio.

O balanço em suspensão com meia volta

No balanço em suspensão com meia volta, soltamos pelo menos uma das mãos. É possível executar este exercício com variantes e com alterações de empunhaduras.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Com o corpo estendido, balança-se para frente e flexiona-se os quadris depois de passar pela vertical.

2 – Quando os pés estiverem um pouco acima dos tirantes da barra, diminui-se a velocidade do impulso e inicia-se com os pés o giro para a direita ou esquerda.

3 – No final do impulso para a frente, o ginasta dá um impulso com a mão direita para fora da barra, executando rapidamente a meia volta. O braço de apoio está levemente curvado.

4 – Com empunhadura mista ou dorsal (quando a mão esquerda ainda está segurando), dá-se um impulso para a frente com o corpo estendido.

O kippe de apoio

É um movimento que leva da suspensão ao apoio, sendo um elemento importante na ginástica em aparelhos, já que é executado em diversos aparelhos.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Com o corpo estendido, o ginasta dá um impulso para a frente, com empunhadura dorsal. Após passar à vertical, flexiona-se o quadril.

2 – No final do impulso para a frente, flexiona-se fortemente os quadris e impulsiona-se o peito do pé para a barra.

3 – No impulso para trás, no kippe, em suspensão, estende-se os quadris, lança-se as pernas para a frente e para cima e diminui-se a velocidade do impulso, antes que os quadris estejam completamente estendidos. Com isto, os quadris se aproximam do ponto de rotação.

4 – Deixa-se os braços estendidos e eleva-se o tronco, deslocando, a seguir, as mãos simultaneamente.

O kippe dorsal para frente

O elemento conduz da suspensão ao apoio de costas.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Com empunhadura dorsal, começa-se, na posição lateral, impulsionando as pernas para a frente. Depois da vertical, eleva-se as pernas para a frente e para cima e as estende por baixo da barra, para o kippe dorsal à frente.

2 – No kippe em suspensão, balança-se para trás, flexionando acentuadamente os quadris até alcançar novamente a vertical, por baixo da barra.

3 – Começo a estender os quadris quando os ombros tiverem alcançado a vertical. Ao mesmo tempo, impulsiona-se a barra. Os pés ficam atrás da barra e por cima.

4 – Diminui-se a velocidade do movimento de extensão dos quadris, quando os pés estiverem na vertical, sobre a barra. Depois, levanta-se o corpo para o apoio. No final, o ginasta está quase sentado na barra, com o corpo estendido.

Giro de quadril parcial para trás (oitava)

É um elemento bastante difícil, que exige muito treino, força e uma boa coordenação motora.

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – No apoio lateral de frente, com empunhadura dorsal, balança-se, a partir de posição bem alta do tronco, com braços e corpo bem estendidos, para a barra, sem tocá-la.

2 – Quando os quadris estiverem próximos à barra, flexiona-se ligeiramente e desloca-se os ombros para trás. Depois, gira-se o corpo para trás em torno da barra, sem tocá-la com os quadris ou as coxas até que os pés tenham passado da vertical sobre a barra.

3 – Aumenta-se o ângulo entre o braço e o tronco, e estende-se os quadris na posição de parada de mãos. Gira-se as mãos no sentido do movimento, deslocando-as.

O Überschlag estendido para trás

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Com empunhadura dorsal, o ginasta dá um impulso estendido a partir da parada de mãos. Pouco antes da vertical, estende-se mais o corpo, para passar pela vertical totalmente estendido e em seguida acelerar o movimento das pernas.

2 – Chegando à horizontal, diminui-se a velocidade do impulso das pernas. A cabeça fica em posição normal, e as mãos dão um impulso para se soltarem do aparelho. Continua-se o giro até pousar com segurança nos pés.

Endo

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – Com tomada invertida, passagem pelo apoio invertido. O exercício está sendo executado depois que o ginasta completou o giro de costas. Quanto mais tarde as pernas entrarem na posição carpada afastada, melhor sairá o movimento.

2 – O corpo carpa ao mesmo tempo em que as pernas se afastam. O quadril é mantido bem afastado.

3 – O ginasta deve explorar bem a sua flexibilidade. Os braços ficam bem estendidos. Se as pernas superarem a linha do ombro, mais fácil sairá o movimento.

4 – Passagem pela suspensão carpada afastada. É feita uma pequena concavidade no peito, mantendo-se os braços e o ombros bem alongados.

5 – Momento em que o corpo começa a subir. As pernas são mantidas bem juntas do corpo até esta posição.

6 – O quadril começa a subir, ao mesmo tempo em que as pernas começam a deixar a posição carpada. As mãos giram, para que possam sustentar o peso do corpo no apoio.

7 – Os braços chegam à posição de apoio sobre a barra, enquanto as pernas e o quadril
elevam-se.

8 – Passagem pelo apoio invertido.

Stalder

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – O movimento Stalder, que agora apresentamos, está sendo executado depois de realizado o giro de frente (tomada normal). O ginasta começa a carpar ao mesmo tempo em que afasta as pernas.

2 – Passagem pelo apoio, quando as pernas já começam a passar pelos braços.

3 – As pernas continuam carpando, mantendo-se sempre afastadas.

4 – O corpo carpa acentuadamente, até que as pernas cheguem junto a ele.

5 – Passagem pela suspensão carpada afastada. Os braços ficam bem estendidos.

6 – O quadril começa a subir, mas mantendo-se bem afastado.

7 – O quadril sobe, enquanto as pernas são elevadas lateralmente.

8 – Elevação do corpo com os braços bem estendidos.

9 – Passagem pelo apoio invertidos. Pernas estendidas e juntas.

Deslocamento

Clique aqui para ver a figura

Lembretes para a técnica correta:

1 – O movimento parte do giro de costas, estando o ginasta com tomada invertida. Passagem pelo apoio invertido.

2 – O quadril permanece afastado da barra, enquanto as pernas cruzam entre os braços.

3 – É muito importante nesta fase que o ginasta junte bem as pernas contra o peito. Quanto maior a distância entre a barra e a pernas, melhor. Os braços permanecem totalmente estendidos, forçando os ombros a formarem um pequena concavidade no peito.

4 – Passagem pela suspensão carpada. As pernas são mantidas, até este ponto, bem juntas ao tronco.

5 – A elevação das pernas e quadril acima da barra. Nesta fase o corpo começa a abrir.

6 – Passagem pela posição de apoio, mantido o quadril bem elevado.

7 – Desequilíbrio do corpo à frente, permitindo ao ombro sua extensão. Último momento da tomada invertida.

8 – Deslocamento dos ombros. Passagem da tomada invertida para a tomada cubital. As pernas são lançadas para a frente.

9 – Giro em tomada cubital.

10 – Passagem pela suspensão alongada com tomada cubital.

11 – Os ombros são projetados para cima e para frente, formando um pequeno ângulo dos braços com o tronco. O corpo provoca uma pequena carpa. Neste momento, em que a força centrífuga é eliminada, as mãos largam a barra, passando a tomada cubital para a tomada normal.

12 – Os ombros projetados para frente, chegam ao apoio.

 
 
Histórico Provas Aparelhos  Exercícios Regras
Seqüências Fotográficas
 
     
   
 
 
 
Resolução mínima de 800x600 IE 5.0
© Copyright Ginásticas.com 2000-2003,
Denis R. Patrocinio